A importância da História no PAS e a sua recorrência

Na palestra “O risco da história única” da escritora nigeriana Chimamanda Adichie, obra prevista na matriz de referência do PAS, uma das frases de encerramento é a seguinte “Quando nós rejeitamos uma única história, quando percebemos que nunca há apenas uma história sobre nenhum lugar, nós reconquistamos um tipo de paraíso.”. Tal afirmação pode parecer muito abrangente e de certa forma assustadora no contexto do vestibular, principalmente para nós que não temos o tempo necessário para estudar todas as histórias possíveis de todos os povos (o que também é humanamente impossível). Mesmo assim, a frase traz uma valiosa contribuição para olharmos a complexidade dos processos históricos, com suas rupturas e continuidades (colocando nos termos que os historiadores gostam). 

Portanto, a minha primeira dica para quem vai fazer a prova do PAS é tomar cuidado com as generalizações. A segunda é entender que apesar de nossos cronogramas se estruturarem de forma muito bem definida, as ciências são altamente permeáveis, ou seja, são interdisciplinares e em muitos casos, são cobradas juntas. A terceira é que tenho certeza que a pessoa que corrigir a sua redação ficará bem contente ao se deparar com um fato histórico que você lembrou de incluir, desde que ele faça sentido no contexto que o tema está inserido. Não adianta citar só por citar. Você também não precisa se apegar com afinco às datas, mas é importante entender a estrutura mais geral dos acontecimentos. E por último, e igualmente importante, estudar história e entender os processos é um grande passo para pensar criticamente o mundo e isso é crucial para analisar obras, julgar itens e escrever redações. 

Três dicas, dentro das humanidades, facilmente viram seis dicas (mas aí fica com você julgar se é pela minha dificuldade em fazer contas ou se é porque quem gosta de história normalmente também gosta de falar – escrever – sem parar). Sem mais delongas, eu gostaria de apontar alguns temas dentro da História que são mais recorrentes em cada uma das etapas. É a partir da análise da matriz, juntamente com a análise de recorrência que apontarei esses conteúdos.

PAS 1

Um dos objetos de conhecimento da primeira etapa é “formação do mundo ocidental”, dentro desse objeto podemos esmiuçar alguns conteúdos que são recorrentes na primeira prova. São eles: 

Antiguidade Oriental, a organização política e social das civilizações antigas (Egito Antigo e Civilização mesopotâmica, por exemplo);

Antiguidade Clássica – Grécia Antiga, organização social e política da pólis grega, com ênfase especial a Atenas e Esparta, mas principalmente a democracia e a cidadania ateniense e suas especificidades;

Roma Antiga – Organização política, a República Romana e o Império Romano e a Cultura Romana (Nesse contexto, é interessante dar atenção aos legados de Roma para o Ocidente).

O Período Colonial da História do Brasil é amplamente cobrado nesta etapa. Bem como seus antecedentes (Expansão marítima), o processo de colonização (administração e economia colonial), a instituição da escravidão e suas diferenças com a escravidão do mundo antigo e o olhar reflexivo acerca dos povos originários e dos povos africanos e as suas respectivas culturas. 

PAS 2

O objeto de conhecimento que nos faz referência de maneira mais acentuada na segunda etapa é “a formação do mundo ocidental contemporâneo”, os conteúdos são mais densos e exploram com intensidade o conturbado século XIX, os assuntos mais recorrentes são:

As revoluções propriamente ditas, com ênfase na Revolução Industrial e seus desdobramentos, especialmente o início do processo de industrialização no Brasil. Mas também a Revolução Americana, a Revolução Haitiana, a Revolução Francesa e o pensamento iluminista e suas influências para as revoltas acontecidas no Brasil. 

No contexto do Brasil Império, o segundo reinado é bastante explorado, sua organização política peculiar, o parlamentarismo e os processos que ocorreram nesse período, tais como o processo abolicionista. As formas de resistência da população escravizada, a luta por emancipação, as revoltas regenciais e posteriormente, as revoltas na Primeira República também.

Outro assunto bastante recorrente é o Imperialismo dos Estados Unidos e também dos países europeus, sendo que esse último resulta no Neocolonialismo que atinge os continentes africano e asiático. A História da África também aparece aqui, tanto nos antecedentes, ou seja, no período pré-colonial, quanto no pós-colonial. 

PAS 3

A terceira e última etapa, normalmente dentro do objeto “cenários contemporâneos” faz uma grande intersecção com assuntos que são abordados tanto pela história quanto pela geopolítica. 

Esses assuntos normalmente são os que compreendem o período das Grandes Guerras, as ideologias e as formas de governo totalitárias e autoritárias, mas principalmente o contexto da Guerra Fria e o que denomina-se “Nova Ordem Mundial”, ou seja, o mundo pós-guerra. Além disso, também são recorrentes temas referentes a globalização e as independências afro-asiáticas do processo de dominação colonial. Já na História do Brasil, o processo de industrialização brasileira é bastante abordado, assim como a Era Vargas.

Os tópicos anteriormente mencionados são recorrentes e normalmente estão associados e contextualizados por meio das obras que são de suma importância para o PAS. Espero que esse post tenha sido útil para os seus estudos e lembre-se: a melhor dica é estudar bastante e estrategicamente.

 

Quer ficar por dentro de todas as novidades sobre o PAS UnB? Siga o nosso instagram: @tudosobreopasunb

  

Related Articles

Responses

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *