Por que Gandhi chamava Hitler de amigo em suas cartas?

Você sabia que as obras presentes na matriz de referência do PAS nem sempre são livros extensos? Elas podem ser desde produções audiovisuais, produções artísticas que envolvem artes cênicas, produções musicais, até mesmo artigos. Hoje falaremos sobre o artigo “Cartas que Gandhi escreveu para Hitler” que apresenta duas cartas enviadas como tentativas de impedir o começo e o avanço da Segunda Guerra Mundial e que é uma obra de fácil entendimento, apesar dos amplos debates que suscita.  

Gandhi foi a principal figura da luta anticolonial indiana, usando um método inovador de manifestação pacífica contra a dominação britânica. Um dos exemplos mais marcantes de seus atos de desobediência civil pacífica foi o que ficou conhecido como “Marcha do sal”, uma caminhada que durou 25 dias até o litoral da Índia, em que Gandhi, juntamente com seus seguidores, protestavam contra a proibição aos indianos de extraírem o sal de seu próprio território, proibição essa imposta pelos ingleses. Esse percurso angariou muitos apoiadores para a sua causa e ocorreu em 1930.

Motivado por seus amigos, Gandhi, que já era reconhecido internacionalmente pelos seus atos de manifestação pacífica, faz um apelo para que Hitler, líder nazista, evite a guerra. A assinatura da carta, que foi escrita em 23 de julho de 1939, chama atenção, ela diz: “O seu amigo sincero, M. K. Gandhi”. 

A segunda carta, escrita em 1940, com a guerra já iniciada, é mais extensa e mostra o explícito descontentamento de Gandhi com os atos de Hitler, os quais descreve como “monstruosos e incompatíveis com a dignidade humana.”. Além disso, Gandhi também apresenta a sua luta contra o imperialismo britânico que, mesmo considerando intolerável, adverte: “nossa resistência a isso não significa um mal ao povo britânico.”, evidenciando, logo em seguida, a força da sua luta pacífica pela independência da Índia. 

A resposta ao questionamento sobre o motivo que levava Gandhi a chamar Hitler de “amigo”, mesmo se opondo fortemente a todas as suas práticas, está logo no início da segunda carta. Gandhi diz: “O fato de eu me dirigir a você como amigo não é nenhuma formalidade. Eu não possuo inimigos. Minha ocupação na vida, nos últimos 33 anos, tem sido unir a amizade de toda a humanidade, tornando os homens amigos, independentemente de raça, cor ou fé.”. Nesse trecho, Gandhi reafirma a sua prática de não violência. 

O artigo “Cartas que Gandhi escreveu para Hitler” faz parte das obras cobradas na terceira etapa do PAS. A matriz de referência faz alusão à obra para evidenciar os conflitos que ocorrem no século XX, bem como a discussão sobre violência e autoritarismo e os seus impactos para a humanidade. Além disso, a obra também é apresentada, juntamente com outras cartas, para a reflexão acerca desse gênero textual e a sua importância para a compreensão da realidade por meio da linguagem.

Gostou? Então que tal se cadastrar na nossa plataforma? Temos trilhas de obras que facilitam a sua compreensão sobre elas. Para mais dicas, fique ligado no @tudosobreopasunb

 

Referências:
https://www.dw.com/pt-br/1930-gandhi-inicia-a-marcha-do-sal/a-471245https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/almanaque/cartas-que-gandhi-escreveu-para-hitler.phtml

Related Articles

Responses

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *